Três municípios do Piauí tem alto risco de surto de chikungunya

Três municípios do Piauí tem alto risco de surto de chikungunya

Em todo o País, o levantamento do LIRAa encontrou 357 municípios em situação de risco de surto de dengue, zika e chikungunya. A determinação é do Ministério da Saúde, com o objetivo de monitorar a infestação do mosquito. No mesmo período do ano passado, foram 211 mortes, uma redução de 29,4%. "Essas estratégias têm fortalecido e engajado vários setores da administrações municipais, as quais têm participado de ações conjuntas que têm se refletido na melhora dos indicadores dos municípios", destacou a coordenadora de Promoção e Proteção à Saúde da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), Daniele Queiroz. Nas regiões Norte e Sul o maior número de depósitos encontrados foi em lixo, como recipientes plásticos, garrafas PET, latas, sucatas e entulhos de construção. Os dados foram levantados pelo Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde, ontem.

Já 2450 municípios, felizmente, foram classificados como satisfatórios por apresentarem percentual menor de 1% para presença de larvas. São eles: Guajará (10%), São Gabriel da Cachoeira (6,1%), Nova Olinda do Norte (4,1%) e Lábrea (4%). O levantamento apontou que, no Amazonas, além de Manaus, as cidades de Beruri, Jutaí e Tonantins apresentaram índices de alerta para as doenças. Cerca de 1.600 municípios ainda não realizaram ou não informaram o índice de infestação. De acordo com o relatório do LIRAa do MS, apenas 13 municípios do Amazonas repassaram as informações a tempo de serem incluídos no relatório. Desses, 35 estão em situação de alerta, entre eles, Maceió. No mesmo período, foram registrados 184.458 casos prováveis de febre chikungunya, redução de 32,1%. Em 2016 foram 1.361. Foram 239.076, redução de 83,7% em relação ao mesmo período de 2016. Também até 11 de novembro, foram registrados 16.870 casos prováveis de zika em todo país, uma redução de 92,1% em relação a 2016 (214.126).

Da mesma forma, os registros de dengue grave caíram 73%, de um ano para outro, passando de 901 no ano passado para 243 em 2017.

Apesar de nove bairros serem considerados alto índice, moradores de outros bairros, como o Tarumã, também sofrem com o medo das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Na ocasião, também foi lançada a campanha publicitária de combate ao mosquito Aedes aegypti. "Aí a gente fica com medo, eu já tive dengue e tenho o maior medo de ter uma segunda vez", contou a técnica de enfermagem.

Ller este