Terremoto deixa mais de 60 mortos no Iraque e Irã

Terremoto deixa mais de 60 mortos no Iraque e Irã

Uma entrevista televisiva foi interrompida pelo terremoto de magnitude 7.8 que abalou a região fronteiriça entre o Irão e o Iraque, no passado domingo. No Iraque, o tremor deixou ao menos seis mortos na província de Suleimaniya, situada na região do Curdistão iraquiano. Quatro pessoas morreram na localidade de Darbandakhan, disse à AFP o prefeito Nasseh Mulla Hassan.

O terremoto foi sentido também no sudeste da Turquia, mas não provocou danos.

Mais de metade das vítimas são de uma cidade de maioria curda, Sarpol-e Zahab, na província de Kermansh, que ficou sem parte do hospital, obrigando o exército a montar hospitais de campanha.

O histórico de abalos sísmicos naquela área preocupa. Apesar de o epicentro ter sido no Iraque, o lado mais afetado pelo terremoto foi o iraniano, com o maior número de vítimas. Oito aldeias ficaram danificadas.

Segundo o Departamento de Emergência do Irã, ao menos 129 pessoas morreram no país e mais de mil estão feridas, de acordo com a agência iraniana ISNA. Algumas ficaram sem eletricidade.

A organização Crescente Vermelho informou que suas equipes estão ajudando com o resgate e primeiros socorros. No entanto, o Serviço Nacional de Emergências afirmou que está "muito difícil enviar equipes de socorro aos povoados pois as estradas foram cortadas por deslizamentos de terra". O último balanço do governo falava em 407 vítimas.

As imagens que chegam de regiões como Halabja e Kermanshah apresentam incontáveis edifícios em ruínas, sendo alta a probabilidade de haver pessoas presas debaixo dos escombros. As pessoas estavam dentro de casa, muitas já dormindo, quando os tremores começaram.

Ller este