Rússia impõe restrições à importação de carne do Brasil

Rússia impõe restrições à importação de carne do Brasil

A Rússia decidiu suspender a partir de 1o.de dezembro a importação de carne bovina e suína oriunda do Brasil depois da descoberta de várias substâncias proibidas, informaram os serviços veterinários. Estão sendo traduzidos e, até a quarta-feira, 22, devem ser enviados para o Brasil.

De acordo com o Dipoa, o Brasil utiliza o sistema de segregação de suínos para a exportação de carne para Rússia, o que impossibilitaria a detecção da substância proibida, conforme relatado pelo país. "Mas nós não sabemos ainda a proporção, até porque nesta época do ano, pelo clima, a venda de carne suína para a Rússia é pouca ou quase nada", disse o secretário. Esta decisão tomada por Moscou restringe ainda mais as fontes de importação de carne para a Rússia.

Segundo o diretor do Sindicato das Indústrias de Carnes de SC (Sindicarnes), Ricardo Gouvêa, o uso de ractopamina é liberado no Brasil, EUA e em outros países. Segundo ele, o país impôs embargo restrito a algumas empresas em cujos produtos foi encontrado o aditivo. Esse rigor russo, com frequentes suspensões de compra, não chega a surpreender os exportadores catarinenses. Ele afirmou que o ministério tem programas de rastreamento que buscam garantir que o aditivo não esteja presente nos carregamentos destinados ao mercado russo. Se alguma empresa fraudou, deixou passar ou não conseguiu controlar isso, cabe a eles fazerem as considerações, e a nós fazermos as correções aqui.

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, não considerou a medida como um fechamento do mercado russo. Em 2017, de janeiro a outubro, foram 92.673 toneladas.

A Fundação João Pinheiro (FJP) divulgou, nesta sexta-feira, dados referentes à produção agrícola, rebanhos e produtos de origem animal de Minas. Em segundo lugar está Hong Kong.

Ller este