Qualcomm recusa oferta US$103 bilhões da Broadcom

Qualcomm recusa oferta US$103 bilhões da Broadcom

"Depois de uma análise compreensiva, conduzida em consulta com nossos conselheiros legais e financeiros, a mesa diretora concluiu que a proposta da Broadcom desvaloriza dramaticamente a Qualcomm e chega com inseguranças regulatórias significantes", disse Horton.

Na semana passada, a Broadcom oficializou uma proposta de US$ 130 bilhões pela aquisição da rival Qualcomm. Por ser uma oferta de compra hostil, feita diretamente aos acionistas, o conselho pode apenas opinar a respeito da viabilidade do negócios, mas caberá aos donos de papéis autorizar, ou não, o negócio.

A Broadcom tem uma fama duvidosa de aquisições e desmembramentos, menos de inovação, e existem suspeitas quanto à coincidência da sua mudança de sede de Hong Kong para os EUA, e o lançamento da oferta de compra. Afirma, ainda, que obteve retorno dos acionistas, e a maioria das manifestações teria considerado a fusão positiva. A Qualcomm declarou desde logo a sua vontade de permanecer independente e agora o conselho de administração rejeitou a oferta que daria $70 por acção. A Qualcomm provavelmente considerava isso pouco pelo fato de ter uma boa perspectiva de mercado e também um leque de propriedade intelectual valiosíssimo, que raramente é considerado pelo mercado financeiro nas transações de ações. Diz, ainda, que está bem posicionada para ser a líder em segmento de internet das coisas, carro conectado, computação em rede.

Vale lembrar que a Qualcomm atualmente briga na justiça com a Apple.

Ller este