Mercado tem 26,8 milhões de trabalhadores subutilizados no 3º trimestre

Mercado tem 26,8 milhões de trabalhadores subutilizados no 3º trimestre

Segundo a pesquisa, dos 13 milhões de brasileiros desocupados, 8,3 milhões eram pretos ou pardos, o equivalente a 63,7% do total. Entre os brancos, o desemprego atingiu 5,8% da população no terceiro trimestre, enquanto entre os pretos a taxa foi de 9,8% e entre negros, de 11,5%. Segundo o IBGE, pretos e pardos recebem, em média, R$ 1.531 - quase a metade do rendimento médio dos brancos, que é de R$ 2.757. Os pretos e pardos são também maioria, 65,8%, entre os trabalhadores subutilizados, ou seja, aqueles que possuem jornadas de trabalho inferiores a 40 horas semanais, mas gostariam de trabalhar mais.

A taxa de desemprego entre pretos e pardos também é bastante superior a de brancos.

No segundo trimestre de 2017, a taxa foi de 18,6% e no terceiro trimestre do ano passado, de 16,5%.

Os maiores índices foram registrados na Bahia (40,1%), Piauí (38,5%) e Maranhão (37%).

No terceiro trimestre de 2017, o rendimento médio real habitual das pessoas ocupadas foi estimado em R$ 2.115 no país.

Ainda entre os aproximadamente 13 milhões de desempregados, eram 52,6% de pardos, 35,6% de brancos e 11,1% de pretos.

Não houve aumentos significativos na renda média brasileira em comparação com o segundo trimestre deste ano (R$ 2.108) e com o terceiro trimestre do ano anterior (R$ 2.065). A Região Nordeste registrou a maior taxa, de 14,8%, enquanto a Região Sul teve a menor, 9,7%. No segundo trimestre, eram 26,3 milhões nessa condição.

Isso significa que os postos de trabalho criados no ano concentram empregos com menor jornada de trabalho: o número de subocupados (aqueles que trabalham menos horas do que gostariam) cresceu de 4,8 milhões no terceiro trimestre de 2016 para 6,2 milhões. Nesta categoria, o comportamento divergente do indicador foi observado nas cinco grandes regiões, com destaque para o Norte, onde a diferença entre homens e mulheres foi a maior, com 23,4 pontos percentuais.

A distribuição percentual dos trabalhadores entre grupos de atividades mostra que 8,5% do total de negros e pardos ocupados no país atuavam com serviços domésticos, enquanto 5% do total da população branca ocupada atuava na mesma área.

A Pnad mostra ainda que, entre os ocupados, 57,3% tinham concluído pelo menos o ensino médio. A região Nordeste apresentou o menor nível da ocupação (46,6%). O IBGE destaca, em seu levantamento, que esta configuração não se alterou significativamente ao longo de toda a série histórica disponível.

Pretos e partidos são maioria da população de 14 anos ou mais (55%) e entre os trabalhadores ocupados (53%).

Ller este