Broadcom oferece US$ 130 bilhões para comprar Qualcomm

Broadcom oferece US$ 130 bilhões para comprar Qualcomm

O grupo americano de semicondutores Broadcom anunciou nesta segunda-feira uma oferta de compra de sua concorrente, Qualcomm, por um total de 130 bilhões de dólares, o que constituirá uma das maiores operações deste tipo no setor de novas tecnologias.

Entretanto, a Qualcomm vive um momento delicado.

Se o negócio for concluído por esse mesmo valor, será a maior aquisição da história do mercado da tecnologia, superando os US$ 67 bilhões pagos pela Dell na compra da EMC em 2015. Segundo reportagem do The Wall Street Journal e da rede de TV CNBC, que citam fontes familiarizadas com o assunto, a Broadcom se prepara para fazer uma oferta hostil da ordem de US$ 130 bilhões para adquirir a fabricante de chips com sede em San Diego, na Califórnia.

Hock Tan, diretor executivo da Broadcom, disse que a "nossa proposta fornece aos acionistas da Qualcomm um prêmio substancial e imediato em dinheiro por suas ações, bem como a oportunidade de participar do potencial de vantagem da empresa combinada".

Há uma convicção de que a oferta de US $ 70 por ação estaria longe de ser um nível que o conselho da Qualcomm consideraria seriamente, porque o preço da ação está deprimido devido à disputa de licenciamento com a Apple. Reportagem da Fortune lembra que a Broadcom ainda necessita da aprovação para a compra da Brocade, por US$ 6 bilhões, anunciada em novembro do ano passado.

A proposta se manterá independente do desfecho de outra, feita pela Qualcomm, pela aquisição da NXP, fabricante de semicondutores baseada na Holanda que, originalmente, era uma divisão da Philips. A Broadcom diz que quer com a aquisição por um ponto final nas disputas entre a Qualcomm e a Apple.

A Broadcom desenvolve e fabrica chips usados em smartphones e também atua em infraestrutura de telecomunicações.

Ller este