Aécio Neves destitui Tasso da presidência interina do PSDB e indica Goldman

Aécio Neves destitui Tasso da presidência interina do PSDB e indica Goldman

Em texto publicado em uma rede social nesta sexta-feira (10), FHC disse que, "se porventura tal convergência não se concretizar, o que porá em risco as chances do PSDB, já disse que apoiarei a candidatura do senador Tasso Jereissati (CE) à presidência do partido".

"O PSDB desses caras não é o meu PSDB", disse Tasso em entrevista coletiva, repetindo o mantra do discurso dos últimos dias para marcar o que chama de "diferenças profundas" em relação a Aécio.

De acordo com esses assessores, Tasso sabia que sua destituição seria inevitável uma vez que estivesse na disputa pelo comando da sigla.

Ao cobrar sinceridade de Aécio sobre o motivo de seu afastamento, Aécio teria admitido que estava sob pressão para afastar Tasso do posto. Em carta divulgada pelo senador mineiro, ele afirma que o motivo da substituição é a "desejável isonomia" entre os candidatos ao comando definitivo da sigla, na eleição marcada para 9 dezembro.

Ao comentar o assunto, Aécio disse estar "preocupado" com o fato de o PSDB "sair da agenda ou da vanguarda das grandes reformas que precisam ocorrer no Brasil para se limitar a uma disputa interna".

De lá para cá, os grupos dos dois senadores se distanciaram, principalmente porque Aécio defendeu a permanência do partido no governo do presidente Michel Temer, e Tasso, o desembarque.

Aécio alegou que a decisão foi tomada para que Tasso fique nas mesmas condições que o outro candidato do partido, o governador de Goiás, Marconi Perillo.

Aécio estava licenciado da presidência do PSDB desde maio e, nesse período, Tasso comandou a legenda de maneira interina.

Tasso defende a saída do PSDB da base de apoio do governo Temer. Cadê os tucanos de bom senso para colocarem o partido no rumo da decência e moralidade?

Ller este