OMS nomeia Robert Mugabe Embaixador de Boa Vontade — Controvérsia

OMS nomeia Robert Mugabe Embaixador de Boa Vontade — Controvérsia

Num gesto considerado controverso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) nomeou o presidente Zimbabwe, Robert Mugabe, como "Embaixador de Boa Vontade" para ajudar a combater doenças não transmissíveis, como ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais e asma em África.

"Numa declaração escrita, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, refere que ouviu" cuidadosamente todos os que expressaram preocupação e as distintas questões que foram manifestadas" e que depois de ter refletido resolveu revogar a nomeação.

Conhecida no sábado, a nomeação foi condenada com veemência pela oposição a Mugabe, por responsáveis de organizações de direitos humanos e por muitos líderes internacionais, que a chegaram a classificar como um insulto, recordando que o sistema de saúde no Zimbabwe colapsou sob o regime ditatorial de Mugabe, que permanece no poder desde 1980.

Ian Levine, diretor da Human Rights Watch, apressou-se a qualificar, via Twitter, a nomeação como um "embaraço" para a OMS.

O chefe da OMS, Tedros, no entanto, elogiou o Zimbabwe como "um país que coloca a cobertura universal de saúde e a promoção da saúde no centro de suas políticas". "Mugabe destruiu o nosso sistema de serviços de saúde. Deixou que os nossos hospitais públicos colapsassem e agora quando ele ou a família dele têm de fazer tratamentos vão para fora, para Singapura", acusou o porta-voz do partido, Obert Gutu, citado pelo The Guardian.

A nomeação foi comunicada numa cerimónia, ontem, 20, no Uruguai, na presença do próprio Robert Mugabe, de 93 anos, e estadista mais velho do mundo.

Ller este