Resort de Trump na Flórida está na mira do furacão Irma

Resort de Trump na Flórida está na mira do furacão Irma

Às 6h da manhã (7h de Brasília), o centro do furacão de categoria 4 estava cerca de 50 quilômetros a sul-sudeste de Key West, na Flórida, se movimentando para o noroeste a 13 km/h, segundo informações do Centro Nacional de Furacões dos EUA.

Ao avaliar os estragos deixados pelo furacão, que agora se dirige para Florida, nos Estados Unidos, as autoridades cubanas registaram inundações em várias cidades e em campos agrícolas. O cenário deverá agravar-se nas próximas horas, com os meteorologistas a preverem uma subida do nível do mar na ordem dos três metros, chuva e ventos muito fortes ao longo das províncias de Sancti Spiritus e Villa Clara, zonas muito importantes para o sector turístico de Cuba. As autoridades norte-americanas não poupam nas palavras para alertar para os riscos de um furacão que prevêem terá efeitos "catastróficos" e "devastadores". Nos EUA, mais de 6 milhões de pessoas na Flórida e na Geórgia foram avisadas para deixar suas casas. Se estão em zonas abrangidas por ordens de evacuação, têm de partir.

A Florida é o terceiro maior estado norte-americano, com cerca de 21 milhões de habitantes. O seu conhecido resort de Mar-a-Lago, em Palm Beach, está no caminho do furacão e recebeu também ordens de evacuação. Ao todo, segundo números reunidos pelo jornal britânico Guardian, o Irma fez pelo menos 23 mortos.

Mas os EUA temem um grande impacto do Irma em Miami, poucos dias depois do furação Harvey destruir o estado do Texas.

No sábado, vários tornados foram observados no sul do estado da Flórida e pelo menos um deles tocou terra em Oakland Park, a 55 quilómetros norte de Miami.

Além do Irma - cujos ventos chegaram aos 295 quilómetros por hora nas Caraíbas no grau máximo, mas que entretanto foi revisto em baixa para categoria 4 - há outros dois furacões a progredir em simultâneo no Atlântico, Jose e Katia.

Ller este