O que se sabe e o que esperar — Três furacões ativos

O que se sabe e o que esperar — Três furacões ativos

"É um desespero", disse, esta quinta-feira de manhã ao JN.

Martin e San Barthélémy, o primeiro-ministro francês avança que há 50 pessoas feridas, sendo que 21 foram hospitalizadas.

Nas Caraíbas, o furacão está a fazer sérios estragos. Edouard Philippe fala numa "tragédia inimaginável e sem precedentes". Neste último, 70% do território ficou sem eletricidade.

Nos complexos hoteleiros, a maioria deles situados em Punta Cana, Puerto Plata, Samaná e Santo Domingo, foram ativados os protocolos de segurança e prevenção e está tudo sob controlo, explicou hoje um porta-voz do Ministério do Turismo, citado pela agência noticiosa espanhola Efe. "Haverá muito trabalho pela frente". "O furacão Irma é uma grande tempestade e que implica risco de morte, e a Flórida deve estar preparada", escreveu o governador.

A ilha de Saint Martin, também conhecida pelo seu nome holandês, Sint Maarten, é famosa pelo aeroporto de Juliana, junto à praia, que fez a sua primeira vítima mortal em julho, e que terá sido parcialmente destruído pela passagem do Irma. Segundo ele, 25 mil pessoas já deixaram o estado. A margem de erro da previsão de quatro ou cinco dias é de 280 a 360 quilômetros.

Nas redes sociais, as fotografias e os vídeos mostravam o alcance dos danos nas ilhas - onde houve cortes de energia e de comunicação -, com barcos destruídos em um porto, árvores caídas pelas rajadas de vento, telhados arrancados e carros submersos nas ruas.

O presidente francês, Emmanuel Macron, advertiu para um resultado "duro e cruel" pela passagem do furacão. "As condições atmosféricas não permitem uma deslocação presidencial", justificou, sublinhando que irá visitar o território "assim que possível".

Já com a categoria 5 - a máxima na escala de intensidade Saffir-Simpson - o furacão Irma cruzou Barbuda por volta das 2h no horário local (às 3h no horário de Brasília). 37 milhões é o número de pessoas que se esperam ser diretamente afetadas pelo Irma, segundo dados do Observador.

O furacão Irma, a mais poderosa tempestade registrada no oceano Atlântico, chegou, ontem, ao Caribe, com ventos de até 295 km/h, deixando pelo menos oito mortos na parte francesa da ilha de São Martinho, que ficou quase totalmente destruída. A Zona A inclui a maior parte de Coastal Miami-Dade, incluindo Key Biscayne, enquanto a Zona B inclui Miami Beach, o bairro da Brickell Avenue de Miami, mais áreas terrestres e outras cidades à beira-mar. "Podemos reconstruir a vossa casa, mas não a vossa vida". A população do sul deve ser deslocada para Nassau, a capital das Bahamas, a partir desta quarta-feira. Segundo o governo local, o furacão tem "proporção nuclear" e pode causar muitos danos ao chegar ao país.

Os meterologistas norte-americanos ainda não podem dizer precisamente onde o Irma passará quando tocar o solo americano, mas um aviso preventivo foi lançado para a costa leste e o Golfo da Flórida, para que autoridades e a população estejam preparados. O gabinete de emergência consular está em contacto permanente com as autoridades locais e embaixadas e postos consulares, bem como com as agências de turismo portuguesas.

Ller este