A resposta do Santander Cultural após cancelar exposição queer em Porto Alegre

A resposta do Santander Cultural após cancelar exposição queer em Porto Alegre

Com curadoria de Gaudêncio Fidelis, que foi curador da Bienal do Mercosul de 2015, a exposição tinha como mote a diversidade e as questões LGBT, aos moldes de exposições estrangeiras como a Queer British Art (1861-1967), em Londres, na Inglaterra, e a Hide/Seek: Difference and Desire in American Portraiture, em Washington, nos Estados Unidos.

"Serão convocados por mim para depor da CPI dos maus tratos infantis". Obras de 85 artistas estavam expostas e poderiam ser visitadas pelo público em geral até o dia 8 de outubro, no Santander Cultural, mas isto não será mais possível. O objetivo do Santander Cultural é incentivar as artes e promover o debate sobre as grandes questões do mundo contemporâneo, e não gerar qualquer tipo de desrespeito e discórdia (.) Ouvimos as manifestações e entendemos que algumas das obras da exposição Queermuseu desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas, o que não está em linha com a nossa visão de mundo.

Um dos quadros expostos retratava imagens que simbolizavam crianças, com as frases 'Criança viada deusa das águas' e 'Criança viada travesti da lambada'. Ao longo do final de semana, diferentes perfis de pessoas e entidade alinhadas ideologicamente ao MBL e a organizações religiosas, engrossaram o protesto virtual, que pediu o fechamento da mostra, rebaixou a nota de avaliação da página do Santander Cultural no Facebook e, até mesmo, pregou um boicote ao banco. A nota oficial do Santander Cultural diz: "Nos últimos dias, recebemos diversas manifestações críticas sobre a exposição Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira". "Eu não fui consultado em nenhum momento sobre isso e ninguém do Santander entrou em contato comigo ainda". Quando a arte não é capaz de gerar inclusão e reflexão positiva, perde seu propósito maior, que é elevar a condição humana. A abordagem desses monitores indicava a localização dos trabalhos com essas características. O texto se assemelha com a nota divulgada pelo banco nas redes sociais e pede desculpas "a todos aqueles que enxergaram o desrespeito a símbolos e crenças na exposição".

Um protesto pela defesa da liberdade de expressão artística e a manutenção da exposição deve ocorrer nesta terça-feira (12), em frente ao Santander Cultural, em Porto Alegre. Repudiamos os ataques conservadores e fundamentalistas e suas acusações falsas e infundadas.

O Santander Cultural, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, anunciou o cancelamento da exposição após protestos na instituição e nas redes sociais contra o conteúdo da exibição.

A exposição contava com mais de 270 obras, entre pintura, gravuras, fotografias, vídeos, colagens, escultura e cerêmicas de nomes como Alfredo Volpi, Adriana Varejão, Cândido Portinari, Ligia Clark, Clóvis Graciano, entre outros.

Ller este