"Meios aéreos foram determinantes para o recuo das chamas" — Abrantes

De acordo com a página da Proteção Civil, o incêndio, às 18h20, era combatido por 258 operacionais, 65 meios terrestres e dois meios aéreos.

Este incêndio, segundo o oficial de operações e de emergência, está mais calmo porque saiu do perímetro urbano, mas continua ativo. A Proteção Civil volta a alertar para a necessidade de um comportamento responsável junto das florestas, dando como exemplo o caso de Pombal ontem, com o registo de oito ocorrências em menos de duas horas.

Os quatro incêndios do distrito de Santarém são os que concentram mais operacionais e meios: 758 operacionais, 244 viaturas e quatro meios aéreos.

Ao contrário, outros fogos que estavam ativos esta manhã, como os de Leiria (Alvaiázere e Pombal), encontram-se em fase de resolução, assim como os incêndios de Cantanhede, Ferreira do Zêzere e Grândola - todos estão dominados e em fase de resolução.

A previsão meteorológica continua pouco favorável ao combate às chamas, com temperaturas elevadas, tempo seco e vento a soprar forte.

A continuidade destes meios no teatro de operações de Abrantes no dia de sexta-feira, disse, "depende do evoluir deste incêndio e do panorama global nacional" no dia de amanhã.

A noite foi difícil, com o fogo a chegar perto de habitações.

Seis aldeias foram evacuadas devido à ameaça das chamas.

Ao longo de dia de hoje, acrescentou Patrícia Gaspar, serão contabilizados "eventuais danos" provocados pelo fogo. Foi o dia, desde 01 de janeiro, com maior número de incêndios por dia.

As mesmas condições meteorológicas se manterão até o próximo domingo.

Ller este