Filho de Trump é acusado de participar da interferência russa

Filho de Trump é acusado de participar da interferência russa

A reunião seria concretizada no dia 9 de Junho do ano passado, tal como confirmou ontem Trump Jr, já depois de o New York Times ter reportado que o primogénito de Donald Trump se havia reunido com a advogada Natalia Veselnitskaya.

O caso é mais um capítulo para as investigações do FBI e do Congresso americano que apuram as denúncias de que pode ter havido conluio entre assessores próximos ao presidente Trump e a Rússia para interferir no processo eleitoral americano.

A antiga primeira-filha decidiu não ignorar o tweet do Presidente e educadamente deu os bons-dias a Donald Trump para dizer-lhe que aos pais jamais lhes passaria pela cabeça fazer o que o governante fez, sem deixar de perguntar-lhe se naquele momento estava a desistir do seu país. Essa é a maior caça às bruxas da história política.

Nos e-mails, é possível perceber uma disposição de Trump Jr. para obter informações comprometedoras sobre candidata democrata na eleição presidencial de 2016, Hillary Clinton.

A existência deste encontro foi apenas divulgada recentemente aos dirigentes governamentais e confirmada no sábado por representantes de Trump Jr. e Kushner, após um artigo do jornal.

Trump Jr., que coordena com seu irmão Eric os negócios de seu pai desde que ele assumiu a Presidência dos EUA, foi tragado para o centro do escândalo sobre o suposto conluio entre a equipe de campanha de Donald Trump à Casa Branca e autoridades da Rússia. "Triste!", escreveu o presidente americano.

Veselnitskaya não sabe por que Trump Jr. acreditou que ela planejava oferecer informação danosa sobre Hillary, dizendo que só sabia que ele estava disposto a se encontrar com ela.

Além disso, Trump Jr. diz que não contou nada ao pai até porque "não havia nada para contar", atira. E, segundo reportou o jornalista da CNN, Brian Stelter, posteriormente o New York Times pediu comentários a Trump Jr ao conteúdo do conjunto de emails em causa antes de os noticiar.

"Logo ficou evidente que não tinha informação significativa", tentou esclarecer, acrescentando que, na sequência, a advogada falou sobre um programa de adoção de crianças russas, por parte de casais americanos, e que havia sido suspenso pelo presidente Vladimir Putin. O filho mais velho do Presidente dos Estados Unidos afirmou ainda, num comunicado, que divulgou as mensagens "para ser completamente transparente".

Em entrevista à emissora de televisão americana NBC, ela negou qualquer tipo de relação com o Kremlin. Segundo funcionários do governo ucraniano., Manafort tem laços profundos com a Ucrânia e a Rússia.

Ller este